- Ache os Cursos e as Faculdades certas para você! Clique aqui!

- Bolsas de Estudo - são mais de 1.200 faculdades oferecendo descontos de até 75%! Saiba mais!

Versão para impressão     Enviar para um amigo    

Home : Artigos

Alternativas para lixo produzido na região metropolitana


Fonte: Redação Ascom PUCRS



A interdisciplinaridade busca estabelecer relações entre duas ou mais disciplinas, com o intuito de melhorar o processo de aprendizagem. Essa é a palavra que orienta a pesquisa Perfil do Resíduo Sólido Gerado na Região Metropolitana de Porto Alegre e Potenciais Usos Energéticos, realizada no Instituto do Petróleo e dos Recursos Naturais da PUCRS.O projeto pesquisa alternativas para o destino dos resíduos sólidos (materiais não utilizados que são direcionados para aterros sanitários) produzidos em municípios da região metropolitana de Porto Alegre.

Participam a professora Jeane Dullius, da Faculdade de Química, o professor Roberto Heemann, do curso de Geografia da Escola de Humanidades, e os alunos Arthur Peixoto, do 1º semestre do curso de Geografia, e Lucas Schmidt, do 4º semestre da Engenharia Química. A meta é trabalhar com os municípios que integram o Conselho Regional de Desenvolvimento Metropolitano/Delta do Jacuí (Corede Metropolitano/Delta do Jacuí), entre eles Porto Alegre, Alvorada, Cachoeirinha, Eldorado do Sul, Glorinha, Gravataí, Guaíba, Santo Antônio da Patrulha, Triunfo e Viamão. Um encontro entre a equipe e a prefeitura de Cachoeirinha, para estudar uma possível parceria, já foi realizado.

O primeiro passo é realizar uma análise quantitativa, por meio do levantamento de todos os tipos de resíduos sólidos gerados na região metropolitana. Este é o trabalho de Peixoto, que mapeia as emissões de gás carbônico nas cidades e observa o destino destes resíduos. “Eu faço a parte da geolocalização, mas como o trabalho é interdisciplinar, posso ampliar a minha visão, e ver também como funciona a parte da química. É uma troca de conhecimentos”, acredita o aluno.

Schmidt é o responsável pela análise qualitativa destes resíduos mapeados por Peixoto. Assim, o aluno da engenharia consegue calcular o poder calorífico de cada tipo de resíduo que a cidade gera, para poder descobrir a melhor forma de reutilizar esse material, evitando que ele vá para um aterro. “Os resíduos ocupam muito espaço e geram milhares de problemas socioambientais. O nosso objetivo é melhorar o destino do lixo destas cidades com as tecnologias que temos disponíveis aqui na região metropolitana”, afirma Schmidt. Além disso, o estudante reitera que é necessário unir o máximo de conhecimento de cada área para ter um resultado mais abrangente.

A professora Jeane explica que uma das formas de reutilizar o lixo é quebrá-lo em moléculas pequenas que podem ser transformadas em energia elétrica, por exemplo. “Quebrando o lixo, podemos construir qualquer coisa, como gasolina e diesel”, exemplifica. Mas, segundo ela, esta escolha vai depender das necessidades do município, pois pode gerar renda e recursos. “Se o lixo é gerado num local, ele deve permanecer neste lugar e ser transformado em algo útil para a população e para a cidade”, esclarece Jeane. Para Schmidt, a diminuição de aterros aumentaria a necessidade de pessoas trabalhando em cooperativas que realizam a separação do lixo e em usinas de transformação de lixo em energia, o que geraria mais empregos. Entretanto, faz uma ressalva: “nós dependemos também da sociedade, que precisa ter uma preocupação socioambiental, a partir da coleta seletiva dentro da própria casa”.

Segundo Jeane, o projeto é pioneiro na Universidade, pois tem o propósito de agregar valor aos resíduos sólidos que seriam descartados em aterros sanitários. Além disso, é importante os alunos visitarem estes municípios e mostrarem o que sabem, mas também enxergarem os problemas de perto. “Nós ensinamos e aprendemos”, finaliza.

 

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado





Versão para impressão     Enviar para um amigo