- Ache os Cursos e as Faculdades certas para você! Clique aqui!

- Bolsas de Estudo - são mais de 1.200 faculdades oferecendo descontos de até 75%! Saiba mais!

Versão para impressão     Enviar para um amigo    

Home : Artigos

Sobre a Formação específica em Administração


Fonte: Imprensa Metodista SP



A especificidade do administrador ainda é relevante. O administrador que fez curso com alguma habilitação é preferido ao administrador generalista, conclui pesquisa realizada pela Universidade Metodista de São Paulo entre alunos e empresas que contratam profissionais formados em Administração.

Embora as contratações sejam ligeiramente mais favoráveis ao administrador generalista, que consegue colocação em 30% das empresas pesquisadas devido à maior oferta no mercado, o administrador bacharelado já com alguma especialização pontua logo a seguir com 25% das contratações. Quando se delimita o perfil desse profissional para a vaga, porém, o favoritismo das empresas é claramente pelo administrador especializado: 95% em média, contra 80% do generalista.

Um exemplo está na área financeira. Segundo o levantamento, o perfil preferido é o administrador com formação específica em Finanças (100% de escolha), seguido pelo administrador com formação generalista (80%), o matemático (30%) e os formados em engenharia (25%).

A pesquisa foi conduzida pelos professores Luciano Venelli Costa, do Programa de Pós-Graduação em Administração, e Douglas Murilo Siqueira, da Escola de Gestão e Direito da Universidade Metodista, entre maio e junho de 2014. O objetivo foi avaliar como se comportam as diretrizes baixadas 10 anos atrás pelo CNE-Conselho Nacional de Educação (Resolução 4 de 2005) que retiraram as habilitações do curso de Administração. Desde 2005 o único nome aceito nas escolas de graduação é “Bacharelado em Administração”. Detalhes de especificidades só devem constar no projeto pedagógico do curso.

Foram consultados 249 alunos de uma universidade privada no ABC paulista (137 do curso de Administração Geral e 112 de Administração com Linha de Formação Específica em Comércio Exterior), além de 20 empresas que contratam administradores na região. Dentre as empresas, 70% são indústrias e 30% do setor de serviços.

Maior curso presencial

No Brasil, a profissão de administrador foi regulamentada pela lei 4.769 de 9 de setembro de 1965.

O curso de Administração é o que mais arregimenta estudantes, segundo o Censo da Educação Superior no Brasil. Em 1998 representava 12,1% do alunado, contra 13,8% do curso de Direito. Em 2009, Administração já era o maior dentre os cursos presenciais, com 1,1 milhão de estudantes, representando 18,5% desse universo universitário. Direito continuava a ser o segundo, com 10,9%, ou mais de 650 mil alunos em 2009. Em 2015, no Estado de São Paulo, Administração somou 186,5 mil matrículas e Direito, 135 mil, conforme o Semesp (Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior).

Segundo a pesquisa dos professores Luciano Venelli e Douglas Siqueira, o administrador com formação generalista é o mais contratado em 30% das empresas pesquisadas, o segundo mais contratado em outras 30% e o terceiro em 25% das empresas. Já o administrador com formação específica é o mais contratado em 25% das empresas pesquisadas, o segundo mais contratado em outras 50% e o terceiro em 20% das empresas.

Mas essa aparente equidade se desfaz quando são sugeridas às empresas vagas em setores administrativos e diversos perfis de candidatos. As respostas revelam que para a área de Recursos Humanos, por exemplo, o perfil escolhido é o administrador com formação específica em RH (95%), seguido do administrador com formação generalista (85%) e do psicólogo (65%).

Para a área de Marketing, o perfil preferido é o administrador com formação específica em Marketing (95% de escolha), os formados em Comunicação Mercadológica (80%), o publicitário (75%) e o administrador generalista (70%).

Para uma vaga no setor de Importação e Exportação, o percentual de empresas que responderam administrador com formação específica em Comércio Exterior chegou a 80%; o administrador generalista obteve 60%.

Para vaga no setor de produção da empresa, as preferências empatam em 80% entre engenheiro de produção e administrador com formação específica em Operações. Já o administrador com formação generalista tem 60%. A pesquisa revelou ainda que na área de Transportes o perfil preferido é o tecnólogo em logística (45%), logo seguido pelo administrador com linha de formação específica em Operações (40%). Até mesmo para estágio a preferência é por administradores com formação específica (70%), seguidos de administradores com perfil generalista (60%).

Negócio próprio

Já entre os alunos, aqueles que fazem o curso generalista (137) têm preferência por formação mais ampla (80,3%) porque muitos intencionam abrir negócio próprio (43,1%), conclui a pesquisa da Metodista.

Entre os 112 alunos que escolheram o curso com especificidade em Comércio Exterior, a grande maioria (62,5%) tem intenção de trabalhar na área, o segundo motivo foi “gostar de viajar” (36,6%) e o terceiro a preferência por uma formação singular ao invés de geral (25%), demonstrando que o interesse pela especialidade é relevante. Tanto assim que, caso a faculdade não oferecesse o curso específico em Comércio Exterior, 56,3% dos alunos procurariam outra escola na área. Somente 17% se matriculariam em Administração Geral.

A oferta de outros cursos específicos em Administração também é vista como um ganho. Menos da metade dos alunos de Comércio Exterior (46,4%) ficaria nesta modalidade se houvesse outras graduações específicas, aponta o levantamento. A segunda mais procurada seria Operações (13,4%), a terceira Marketing (12,5%) e a quarta Recursos Humanos (10,7%).

A mesma pergunta feita aos alunos de Administração Geral revelou também o forte interesse em linhas específicas. Somente 16,1% ficariam no curso generalista. As linhas mais procuradas seriam Recursos Humanos (24,1%) e Marketing (23,4%).





Versão para impressão     Enviar para um amigo